A alegria e irreverência invadiram as ruas do Centro de Feira de Santana neste domingo (07), durante a 15ª edição do Bando Anunciador, convocada pela Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), através do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca). Logo nas primeiras horas do dia, bandos de diferentes cantos da cidade foram chegando para colorir e animar a Rua Conselheiro Franco, onde o trajeto foi iniciado, pouco depois das 6 horas.

A Polícia Militar estimou um público de 50 mil pessoas, que se refletiu na diversidade de grupos, expressões culturais, fantasias e sonoridades, sendo um retrato vivo da cultura popular. A reitora da Uefs, professora Amali Mussi, falou sobre o significado do Bando e o compromisso de manter a realização deste evento. “Falar do Bando Anunciador é falar de esperança, é falar de luta, é falar de resistência. Temos aqui um bando que anuncia amor, anuncia paz, anuncia lutas. Realizar essa programação é um compromisso nosso!”, disse.

Dentre os apreciadores do evento, estava Yago Cerqueira, que prestigiou o Bando com toda família, inclusive com sua filhinha de apenas 1 ano. “Eu já estive em outros anos, mas esta é a primeira vez que venho com minha filha. Uma experiência muito legal, eu vejo que de fato ela tá aproveitando, curtindo. O Bando Anunciador é sinônimo de alegria”.

De acordo com a diretora do Cuca, professora Tais Dantas, a comissão interinstitucional, sabendo da proporção que o Bando tomou, cuidou de cada detalhe. “A gente sabe que o evento tende a crescer a cada ano. Ampliamos um pouco a infraestrutura, a quantidade de banheiros, tentamos agilizar a interdição das ruas. O nosso compromisso foi promover um evento organizado e, principalmente, seguro”, destacou.

Este ano o percurso do Bando Anunciador teve início no Cuca, seguiu pela Rua Conselheiro Franco, passando pela Igreja dos Remédios e Praça Fróes da Mota, dobrou na Rua Santos Dumont para acessar a avenida Senhor dos Passos e foi dispersado na Praça do Nordestino. O trajeto oficial precisou ser encurtado 200 metros em respeito à missa dominical que acontece na Igreja Senhor dos Passos e por questões de segurança durante a dispersão. A decisão foi tomada em reuniões de planejamento, que contaram com a presença de diferentes órgãos atuantes no município, como a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros.